Nossa juventude está apática

apatia

A palavra ‘apatia’ é um substantivo feminino, que, para a filosofia, define um estado de insensibilidade emocional ou esmaecimento de todos os sentimentos, alcançado por meio de uma ampliação da compreensão filosófica. Para a área da saúde mental, mais especificamente para a psicopatologia, é o estado caracterizado pela indiferença, ausência de sentimentos, falta de atividade e de interesse, e, por extensão, falta de energia (física e moral), falta de ânimo; abatimento, indolência, moleza. Mas o que me interessa mesmo é o significado do verbete para o dicionário: estado de alma não suscetível de comoção ou interesse; insensibilidade, indiferença. Vou resumir: apatia hoje é sinônimo da atual ‘juventude’.

Triste demais chegar à essa constatação, assim, de chofre. Ainda mais quando decidi investir na educação de forma holística. Sim, eu sou professora particular e atendo aqueles que podem, além de estudar em um colégio privado caríssimo, pagar por horas/aulas particulares. E o que se vê neles? Total apatia. Total falta de significados e significantes. Uma expressão blasé tão literal que choca, surpreende. O que mais ouço quando pergunto a eles do que mais gostam é: “nada em especial…”. E por aí vai: música? “Não me lembro de nenhuma”. Livro? “Somente os que a escola nos obriga a ler?”. Notícias? “Não tenho interesse”. Poesia? “Detesto, não entendo”. Difícil, viu?

E pensar que eles dispõem de uma das mais potentes e incríveis tecnologias já inventadas pelo homem, a internet. É possível aprender de um tudo pelos tutoriais disponíveis em forma de vídeo ou em texto com imagens. Até mesmo desentupir uma privada. Nem quero entrar no mérito do universo do conhecimento, estudos, música e livros disponíveis e gratuitos… o mundo na ponta dos dedos, mas, para eles, o mundo se resumo ao que os outros pensam deles e como ficar bem na fita das redes sociais.

Ok, é fato que hoje a convivência social de crianças e adolescentes, infelizmente, se resume ao ambiente escolar apenas, somando-se aí as atividades extracurriculares. Não há espaço social para que eles, de fato, possam exercitar as interações humanas e desenvolver competências para “afinar o instrumento, de dentro para fora e de fora para dentro” – ou seja, por meio dos processos interativos, o ser humano se transforma num sujeito social e evolui. A partir de seus relacionamentos e vínculos afetivos aprende e ensina, fazendo de fato diferença no mundo.

Falta sangue, falta curiosidade, falta erotismo, falta paixão por si mesmo e pelo outro. O outro é singular, diferente, único, encantador, complexo, e, sem dúvida nenhuma, apaixonante. Entendo perfeitamente porque o Carl Gustav Jung, psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica, apaixonava-se por seus pacientes. Como evitar isso quando olhamos verdadeiramente nos olhos de alguém, ouvimos de fato o que está dizendo, lemos suas reações e nos maravilhamos com a perfeição divina do ser humano e toda a sua complexidade e dualidade? O pior sentimento do homem não é o ódio ou o medo, é a apatia.

“Um ser humano só cumpre o seu dever quando tenta aperfeiçoar os dotes que a natureza lhe deu” – Hermann Hesse

Tags: , , ,

3 Respostas to “Nossa juventude está apática”

  1. Heinz Seidel Says:

    Caríssima blogueira! É difícil, para quem já tem os seus filhos criados, deixar de ser seduzido pela síndrome do avestruz ou de Pilatos, enfiando a cabeça no buraco ou lavando as mãos. Afinal, supostamente, já cumprimos a nossa missão de educar os nossos filhos, apontando-lhes caminhos para que eles se desenvolvam, ainda que eles não sigam os nossos exemplos, as nossas sugestões e as nossas diretrizes (isto quase é politicamente incorreto). Entretanto, o liame eterno que nos une aos nossos filhos, nos aflige como a espada de Dâmocles. Reflexões como essas que acabamos de ler, auxiliam-nos a sair do torpor e a perceber que a nós também não é conveniente entrar em apatia. O que fazer a respeito? Perseverar, talvez, com os nossos tradicionais recursos. Ou, quem sabe, criar (com inteligência) entidades e/ou processos integrados aos ambientes em que vivem os jovens, com os quais se possa obter algum resultado de resgate de valores mais sensitivos e menos digitais. Um abraço!

    • Carol Says:

      Eu sugeriria Biodanza, porque não sei se vocês sabe, existe uma especialização para trabalhar com jovens na formação de facilitadores na Escola Paulista de Biodança. Aqui em Campinas não conheço ninguém.

  2. Carol Says:

    Eu sugeriria Biodanza. Porque não sei se você sabe, mas existe esta especialização na Escola Superior de Biodanza em São Paulo, e muitos mestres atuam com esse público. Aqui em Campinas não conheço ninguém.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: