Uma ligação universal!

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

Quando tinha uns dois anos, numa madrugada fria, meu filho, Davi, me chamou: “Mamaê!”. Fui até o quarto e ele estava em pé no berço: “Cóio!”. Peguei ele pelos braços e forcei delicadamente que se deitasse de novo. “Filho, você dorme no bercinho e mamãe na cama. Durma meu filho”. Ele levantou de novo e disse: “Mamaê, cóio!”. Foi aí que o peguei no colo e percebi que estava encharcado de xixi, tadinho… com as pernas geladas. Levei ele para a minha cama, troquei a fralda, a roupa e dei mamadeira. Logo ele estava dormindo novamente. Poderia tê-lo levado de volta ao berço, mas não quis. Eram 4h30 e logo estaríamos acordados. Deitei na escuridão total e percebi sua mãozinha procurando a minha…

Fui remetida imediatamente à minha infância. Quando menina me sentia muito insegura afetivamente e tinha períodos longos de terror noturno. Ficava horas com insônia, com medo de dormir e ao mesmo tempo com medo de ficar acordada e ouvir alguma coisa inexplicável. Saía de fininho do meu quarto e entrava pé ante pé no quarto dos meus pais, carregando apenas um travesseiro. Deitava embaixo da cama deles. Ficava ali, quietinha, ouvindo-os roncarem. O som, que poderia incomodar a princípio, me deixava calma e com senso de realidade naquela escuridão. Aí, eu dormia.

Logo cedo, antes que eles se levantassem, deixava, de mansinho, o local e voltava para o meu quarto.

Outro lugar disputado por mim e pelas minhas irmãs para uma soneca era o bumbum da minha mãe. A coitada acordava cedo e não parava um minuto na cozinha, arrumando as coisas e fazendo as tarefas domésticas, enquanto nós brincávamos e também brigávamos, desfazendo toda a arrumação. Depois da cozinha do almoço arrumada, ela avisava: “Agora eu vou assistir televisão e dar um cochilo. Não quero um pio…”, ameaçava. Pegando um chinelinho na mão, tipo “pronta para dar umas palmadas”, deita-se no sofá, que era comprido.

Ah! A primeira que chegava encostava a cabeça no bumbum da mamãe, e as outras, encostavam as cabecinhas no bumbum umas das outras. Ficávamos todas encaixadas, ressonando por pelo menos uns 40 minutos, quando então minha mãe levantava e retomava a batalha do dia a dia. Essa é uma das melhores lembranças que tenho da minha infância.

Todas queriam ter o privilégio de dormir encostadinho na mamãe. Era uma sensação de segurança e aconchego plena naquele bumbum macio, quentinho e com cheiro de coisa conhecida, parecendo uma extensão do corpo da gente.

Nós disputávamos a tapa o lugar. Acho que é aquele tal ‘desejo existencial’ relatado pelos especialistas da volta ao útero materno. A vontade de se unir ao corpo da mãe novamente e sentir a sensação de plenitude e bem-estar da gravidez.

Quando vi a mãozinha de Davi me procurando no escuro naquela noite, mesmo ele estando sonolento, me lembrei com clareza e nitidez dessa experiência com minha mãe. Percebi claramente que meu filho relaxou quando me “achou” e se entregou ao sono, em segurança.

Geralmente, meu filho dorme em seu quarto. Mas gosto de pensar que essas exceções, que nos aproximam afetivamente e instintivamente, vão perdurar como delicadas lembranças de bem-estar, aconchego, amor. Como momentos especiais, em que a ligação universal é reatada, refeita, mesmo que ele não tenha saído, de fato, do meu útero…

Anúncios

Tags: , , , ,

2 Respostas to “Uma ligação universal!”

  1. Rita Bernardo Says:

    Muito lindo.É uma sensação única e especial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: