Quando ‘Eu’ sou o ‘Outro’

CNV

A empatia pode ser explicada, simplificadamente, como: ‘a capacidade de estar no lugar do outro’. Eu já acho que a coisa é bem mais complexa, assim como o segundo mandamento mais importante do Cristianismo: “Amai ao próximo como a ti mesmo”. Enfim, não é sobre religião que quero falar hoje e sim de uma ‘nova’ técnica de comunicação com o outro: a comunicação não violenta (CNV).

Basicamente, se trata de um processo científico contínuo desenvolvido pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg, com uma equipe internacional de colegas, que defende a prática de relações de parceria e cooperação, nas quais a predominância seja a comunicação eficaz e empática, enfatizando importância de aproximação dos valores comuns entre o emissor e o receptor da mensagem.

Um dos fundamentos-chave da CNV é a capacidade de se expressar sem usar julgamentos (“bom” ou “mau”, “certo” ou “errado”). A ênfase é dada na revelação dos sentimentos e necessidades de cada um. Em outras palavras, você pode falar o que quiser com o outro, desde que use o caminho do respeito e da afetividade. Desde que se coloque no lugar do outro e fale da mesma maneira como gostaria que o outro falasse com você sobre aquele mesmo assunto. Tenho a impressão que Jesus já entendia completamente esse conceito quando formulou o seu segundo mandamento…

Canso de ver pessoas baterem no peito com orgulho ao declararem que “falo mesmo o que penso para qualquer um”. É, deve ser bem mais fácil ‘vomitar’ tudo o que se pensa como se fosse a única verdade absoluta. ‘Tratorar’ o outro não exige ‘lapidação humana’, o sistema é bruto, e pronto.

Minha experiência me provou que, muitas vezes, ficar em silêncio ante uma afirmação é um ato de amor. Mesmo que a gente saiba e veja o outro dando com a ‘cabeça na parede’ e sangrando, é preciso amor, solidariedade e, principalmente, sensibilidade para perceber se o outro pode ouvir o que temos a dizer, mesmo que a nossa intenção seja a melhor possível. Às vezes, não é o outro que precisa ouvir naquele momento. Somos nós que não conseguimos ficar com aquilo que nos incomoda no outro. O que o outro nos espelha.

Sabe, às vezes, somente podemos pegar na mão de quem sofre e rezar em silêncio para que ele possa se fortalecer minimamente para que possamos ajudá-lo. Não é o ouvido que escuta. É a alma. E não conseguimos avaliar o quanto ela muitas vezes está fragilizada e ferida.  A que se ter compaixão do outro. Assim como gostaríamos que tivessem conosco.

Anúncios

Tags: , , ,

2 Respostas to “Quando ‘Eu’ sou o ‘Outro’”

  1. Durval Says:

    Como sempre, excelente texto. Fez com que eu me policie mais quando, e principalmente, dou conselhos a alguém me sentindo muito experiente no assunto.

    • Carol Says:

      Nossa, você é rápido kkk, acabei de publicar. Sim, é verdade, precisamos nos colocar muito mais no lugar do outro… Mas tenho eterna confiança no ser humano… Obrigada pelo retorno. Bjs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: